Seminário Internacional sobre o benzeno é contado em livro


Realizado em 1998, na cidade do Rio de Janeiro, como forma de prevenir a exposição ocupacional sobre os problemas relacionados ao benzeno e ampliar o debate entre trabalhadores, empresários e governo, o Seminário Internacional sobre o Benzeno acaba de virar obra.

Em 509 páginas e 16 capítulos, pesquisadores e técnicos do Brasil, Estados Unidos e de países da Europa estiveram reunidos em uma semana de debates e apresentações acerca do tema que incluíram vigilância à saúde dos trabalhadores, avaliação ambiental, o Acordo do Benzeno, entre outros.

Editado pela Fundacentro, o livro contou com o empenho das pesquisadoras Arline Arcuri e Luiza Maria Nunes Cardoso (servidora aposentada) que trabalharam na elaboração e organização das apresentações para que pudessem ser editadas e disponibilizadas na íntegra ao público.

Arline coloca que embora a obra reúna informações de 1998, todo o conteúdo está atualizado, ficando um único ponto ainda não esclarecido por pesquisadores internacionais: o mecanismo de ação cancerígena do benzeno, ou como agem os metabólitos do benzeno para ser considerada uma substância cancerígena, uma vez que o benzeno pode provocar vários tipos de câncer.

Sobre o mesmo tema, será lançado o livro Acordo e Legislação sobre Benzeno - 20 anos que traz legislações e portarias atuais, o qual será divulgado pela Assessoria de Comunicação assim que estiver disponível.

A disponibilização das versões impressas das publicações será divulgada oportunamente.

Acesse a obra.

Trabalho da Fundacentro é citado em tese

Paralelamente às publicações referentes ao benzeno, a Fundacentro realiza há mais de 3 décadas, cursos sobre o tema, com o objetivo de informar os trabalhadores sobre os riscos presentes no segmento do refino de petróleo.

Na tese de autoria de José Eduardo Viglio da Unicamp, intitulada “Usos sociais e políticos da ciência na definição de riscos e impactos ambientais no setor de petróleo”, o pesquisador faz menção à importância dos cursos sobre benzeno realizados pela entidade.

Na página 53, item 1.5 em Expertise técnica dissonante na Petrobrás, destacamos entre aspas o enfoque do pesquisador Viglio quanto à atuação da Fundacentro.

“No Brasil, a Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho (FUNDACENTRO), ligada ao Ministério do Trabalho teve um papel central na construção da problemática relacionado ao benzenismo tanto em refinarias quanto em siderúrgicas e indústrias químicas, e se consolidou como um núcleo de expertise técnica em torno deste problema (MACHADO et al 2003; COSTA, 2009). Através de entrevistas com um funcionário da Petrobras que se manifestou em relação a este aspecto, constatou-se que os cursos e treinamentos proferidos pela FUNDACENTRO no âmbito da Petrobras, permitiu que os próprios funcionários da empresa reunisse expertise sobre os riscos relacionados ao benzeno. Esta expertise tem sido utilizada pelos próprios funcionários da empresa, ligados tanto ao sindicato dos petroleiros quanto a CIPA nas negociações e disputas sobre as condições de trabalho”.

Para ler a tese na íntegra é necessário fazer um cadastro no site da Unicamp.